quarta-feira, 4 de maio de 2016

Quatro benefícios da meditação (cientificamente comprovados)




No geral sabemos que a meditação nos deixa mais calmos, mas quais serão mesmo os seus benefícios? Fui à procura de estudos científicos que comprovassem os benefícios da meditação. Se alguém precisava de motivos para meditar, aqui estão eles:


1. Fortalece o cérebro ... literalmente


Estudos feitos na Universidade da Califórnia (UCLA) indicam que meditar durante anos: 
  • torna o cérebro mais espesso;
  • fortalece conexões entre as células cerebrais;
  • leva a um maior número de dobras no córtex cerebral o que pode acelerar o processamento de informação

Com a idade, a massa cinzenta do cérebro tende a diminuir. No entanto, estudos efectuados no Departamento de Ciências Psiquiátricas e Comportamentais da Universidade Emory, de Atlanta mostraram que aquela diminuição de massa cinzenta não se verifica em pessoas que praticam meditação, o que levou os investigadores a sugerir que a prática da meditação pode ter efeitos neuroprotectores e reduzir o declínio cognitivo normal associado à idade.


2. Reduz o risco de acidentes vasculares cerebrais


Testes levados a cabo pelo Instituto de Medicina e Prevenção Natural, da Universidade Maharishi de Fairfield indicam que um programa de meditação reduz significativamente o risco de mortalidade, enfarte do miocárdio e trombose em doentes com doenças coronárias.

Estas mudanças estão associadas com baixas pressões sanguíneas e factores de stress psicossociais, o que levou aquele Instituto a concluir que a prática da meditação pode ser útil do ponto de vista clínico como uma prevenção secundária da doença cardiovascular.


3. Diminui a ansiedade


Num artigo publicado na revista Psychology Today, a doutora Rebecca Gladding explica que quanto mais se meditar melhor o cérebro funciona, indicando que a meditação pode moldar o cérebro diminuindo as ligações neurais com o nosso centro do medo e criando novas ligações neurais, o que se traduz em diminuição dos sentimentos de ansiedade que se tornam inúteis.

A mesma doutora alerta que para manter os benefícios da meditação, a prática da meditação deve ser continuada porque o cérebro pode facilmente voltar aos velhos hábitos.


4. Melhora as emoções


Segundo a Drª Gaelle Desbordes, investigadora do Hospital de Massachusetts e da Universidade de Boston, a meditação afecta as funções do cérebro muito depois do acto da meditação ter ocorrido. Demonstrou que as pessoas que meditam mostram mais compaixão pelos outros.

Um grupo de investigadores da Universidade de Medicina de Harvard estudou os efeitos da meditação na retenção de informação, e concluiram que a meditação Mindfulness melhora numerosas faculdades mentais nos seus praticantes, incluindo a habilidade de rapidamente se lembrarem e incorporarem novos factos.



 Fontes:

Novas evidências indicam que a meditação fortalece o cérebro. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2012/03/120315_meditacao_cerebro_mv.shtml>. Acesso em: 03/05/2016.


Schneider RH et al. (2012) Circulation: Cardiovascular Quality and Outcomes. American Heart Association. Disponível em: <http://circoutcomes.ahajournals.org/content/5/6/750.abstract>. Acesso em: 03/05/2016


Pagnoni G, Cekic M  (2007) Age effects on gray matter volume and attentional performance in Zen meditation. Neurobiology of Aging. 28:1623-1627. Disponível em: <http://www.headspacebook.com/resources/journal-age%20effects%20on%20gray%20matter%20in%20zen%20meditation.pdf>


Pedersen T (2013) Meditation's effects on emotion shown to persist. Disponível em: <http://psychcentral.com/news/2013/06/23/meditations-effects-on-emotion-shown-to-persist/56372.html>. Acesso em: 03/05/2016





2 comentários:

  1. Muito bom. Eu também noto diferença quando medito. Não sabia que era assim tanto ☺ hábito a continuar.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada! Pois... às vezes sabemos que faz bem, mas não sabemos o quanto. Eu também vou continuar este hábito :)

    ResponderEliminar