sexta-feira, 27 de maio de 2016

Pensamento oposto



"Cada vez que se começar a inquietar, a sentir-se perdida, sozinha, deprimida, cheia de rancor, negativa ou em cólera, pegue num livro interessante, ponha uma roupa diferente e faça o que estiver ao seu alcance para tornar o lugar onde está mais alegre: flores, música, incenso, uma vela perfumada."
Dominique Loreau, A Arte da Simplicidade


Já incorporei o hábito do pensamento positivo e estou actualmente a praticar a meditação, em Junho vou praticar o hábito do pensamento oposto.

Este hábito é muito parecido com o pensamento positivo, mas requer ainda mais atenção aos pensamentos que passam na nossa mente e a capacidade de os substituir.


Mas antes um pequeno parêntesis...


Todos nós temos emoções e normalmente classificamo-las como positivas ou negativas consoante nos fazem sentir. A emoção em si não é positiva nem negativa é o nosso sentimento e pensamento que a classifica de "boa" ou "má". Todas as emoções que sentimos fazem parte de nós e é bom que as sintamos.

Por exemplo, se estivermos à beira de um precipício sentimos medo, e esse sentimento protege-nos. Se não sentíssemos medo saltávamos do precipício e era o the end do nosso filme.

O que eu quero dizer é que com o pensamento positivo e o pensamento oposto não é suposto deixarmos de sentir as emoções "más", vamos continuar a senti-las e é bom que assim seja, não devemos reprimir o que sentimos senão não evoluímos nem aprendemos. 

O que eu pretendo ao praticar o pensamento positivo e oposto é não me deixar afundar nos pensamentos negativos e permanecer numa espiral descendente durante dias seguidos. Assim, continuo a sentir todas as emoções sem as disfarçar, mas já tenho ferramentas para as ultrapassar.


Como praticar o pensamento oposto


A mente só consegue reter um pensamento de cada vez. Se tentarem pensar na cor da vossa cozinha e na cor da camisola que têm vestida, só conseguem fazê-lo alternadamente. Tendo isto em consideração, conseguimos criar um padrão mental positivo. 

Como fazer:

1. Ter a noção que estamos a ter pensamentos pouco inspiradores
2. Substituir esses pensamentos por outros mais alegres 

Exemplos:

  • Se estivermos a ter pensamentos de preocupação, substituímos por pensamentos de gratidão;
  • Se estivermos a ter pensamentos de medo, substituímos por pensamentos de amor...
Percebem a ideia? 


Auto-conhecimento


É necessário conhecermo-nos a nós próprios para detectar os pensamentos e saber como os substituir, façam o que resultar convosco.

Por exemplo, quando tenho uma coisa que me chateia, não a varro para debaixo do tapete como se não existisse. Escrevo sobre o que penso e o que sinto sobre isso para criar uma distância entre mim e a situação e depois de processar isso sinto-me mais leve, em vez de andar dias e dias a matutar sobre o assunto.
No entanto, escrever pode não ser a vossa onda... e está tudo bem... convém é que saibam o que resulta convosco, pode ser desabafar com alguém, ouvir música e dançar, vale tudo desde que funcione.


Conto com a vossa companhia. Vamos praticar o pensamento oposto?



 Fontes:
Sharma RS (1997) O monge que vendeu o seu Ferrari. (sic) idea y creación editorial, Espanha. 217 pp. 



6 comentários:

  1. Já estava com tantas saudades disto... Ainda bem que voltaste. Podes contar comigo para mais esta etapa. Confesso que este mês de Maio não correu muito bem. Andei de tal forma embrenhada no trabalho que nem tempo para pensar tive. Em Junho vou-me portar bem, pelo menos vou tentar <3

    ResponderEliminar
  2. Eu também tive muitas saudades, ainda bem que tu também voltaste. Fico tão contente por ter a vossa companhia a praticar hábitos, ajuda-me a não desistir e a não me sentir tão sozinha deste lado. Há meses que são mais difíceis, mas faz parte, o importante é não desistir ;)

    ResponderEliminar
  3. Sim. Eu por vezes faço este hábito, dou por mim a pensar coisas parvas e começo a pensar em ironias desses pensamentos e a rir de outras coisas e esqueço as parvas. Este vou juntar aos meus hábitos. Ver se atino com a meditação este mês �� Obrigado ❤

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela partilha. Fico muito contente por aprender convosco.
      Pois a meditação quando é feita de um modo consistente, traz mais benefícios. Mas nem sempre é fácil, na correria do dia a dia.

      Eliminar
  4. Ah, percebi tudinho!! Tendo em conta que ainda me estou a purgar das morfinas e afins, o eu ter percebido é sinal de que está bem explicado. Vou "ajuntar" este hábito. Quando voltar para casa vou fazer tudo direitinho. Pelo menos até as colegas começarem a dar comigo em doida... XD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah ainda bem! Fico muito contente por estar bem explicado. Eu também vou fazer direitinho, começo amanhã ;)

      Eliminar