sexta-feira, 17 de junho de 2016

Como ando a ensinar o meu filho a cozinhar


"Se ao educares uma criança te surpreenderes com a sua falta de habilidade, tenta escrever com a mão esquerda. Recordo que toda ela é uma mão esquerda."
Anónimo




Quem me conhece sabe que não gosto de me expor nas redes sociais. Muito menos o meu filho. Há coisas que gosto de guardar para mim e gosto de preservar a minha intimidade. Chamem-me careta, ou o que quiserem, mas é assim que eu sou.
Esta foi uma das razões porque andei tão indecisa em iniciar um blog onde me exponho, mas não fazia muito sentido falar dos hábitos que vou praticando sem o real motivo que me levou a isso, como expliquei aqui. Assim como não fazia sentido falar superficialmente do percurso que tenho feito, quando o faço com toda a minha energia e entrega. Também começou a não fazer sentido falar dos meus hábitos e deixar de fora uma das partes mais importantes da minha vida que é ser mãe e então decidi que se é para fazer então que seja na totalidade e não andar com medo de falar disto ou daquilo, ou de mostrar mais ou menos a minha vida.

Aproveitei as férias do André para o ensinar a cozinhar. É uma das recordações de infância mais queridas que eu tenho, o meu pai a ensinar-me a cozinhar. Começou por me ensinar a fazer bolos, depois a descascar batatas e depois a confeccionar receitas completas. Às vezes telefonava-me e dizia para cozer o esparguete para o jantar e outras coisas mais simples para adiantar. Foi daí que me veio o gosto de cozinhar. 

É isto que eu quero ensinar ao André, o gosto de cozinhar, o gosto de saborear comidas feitas por nós, partilhar com ele segredos de família para que ele possa depois ensinar aos filhos dele (se os tiver). Ele tem agora 8 anos e desde que ele nasceu sempre tentei ensiná-lo o melhor que sei para que ele seja autónomo. É claro que exige de mim muita calma e paciência porque tenho de o ver a falhar várias vezes até acertar e conseguir fazer.

Ele sempre gostou de me ajudar na cozinha, já descascava cenouras, cebolas e alhos. Mas agora começou a ser a sério. Veio para a cozinha, pôs um avental e ensinei-o a cortar com a faca e a fazer uma receita do início ao fim. Ele anda tão entusiasmado que acorda mais cedo com a excitação de fazer o almoço e anda todo orgulhoso a dizer a toda a gente o que é que já faz na cozinha.




A mim falha-me uma batida de coração sempre que vejo aquela faca a aproximar-se dos dedos. Mas acho que isso representa bem o que é ser mãe/pai, ensinamo-los, damos-lhe as ferramentas e esperamos que tudo corra pelo melhor.

A primeira receita feita pelo André: Bacalhau com pumpernickel (uma espécie de bacalhau com broa numa versão saudável) com batatas a murro. Ficou uma delícia e ele é que fez tudo, eu só ensinei e ajudei.






Sem comentários:

Enviar um comentário