terça-feira, 14 de junho de 2016

Dica para pensamento oposto #2: Espelho, espelho meu...



"Os Chineses definem a imagem da seguinte maneira: existem três espelhos que formam o reflexo de uma pessoa. O primeiro é como tu te vês a ti próprio, o segundo é como os outros te vêem e o terceiro espelho reflecte a verdade.
Robin Sharma, O Monge que Vendeu o seu Ferrari 


Quantas vezes nos olhamos ao espelho e nos focamos logo nas coisas que não gostamos. Parece que os nossos olhos são instantaneamente atraídos para aqueles odiados pneus que se instalaram na nossa barriga, já para não falar da maldita celulite que parece ter morada vitalícia nas nossas coxas e traseiro e até mesmo aquelas manchas na pele que já nem sabemos muito bem quando apareceram. Conheço mesmo pessoas que deixaram de se ver ao espelho e fogem a sete pés da sua imagem reflectida.

Cada vez mais somos bombardeados com imagens de corpos ditos perfeitos, nas revistas, televisão e redes sociais... São poucas as marcas que exibem anúncios de corpos reais, como é o caso da Dove. E quando nos vemos ao espelho, em vez de nos apreciarmos como somos, apenas vemos os anos-luz que estamos daquela modelo, capa de revista, esquecendo-nos da produção inteira por trás daquela fotografia.

Eu dei-me conta disto e passei a ver-me ao espelho na totalidade. Em vez de me concentrar nos aspectos que não gosto, passei a ver o meu corpo como um todo, e comecei a gostar de mim como sou. Com as minhas qualidades e defeitos. 
Comecei a olhar com olhos de ver e a sentir-me grata pelas minhas pernas saudáveis que me permitem andar pelo mundo, pelos meus braços que me permitem abraçar as pessoas que amo e fazer tantas coisas no meu dia-a-dia, pela minha barriga que me permitiu conceber uma vida dentro de mim, pela minha cara com todas as marcas deixadas por dias de sol, por momentos menos bons em que chorei, por momentos felizes em que ri até me doer a barriga. Tudo isto faz parte de mim e eu gosto de mim como sou, de tudo o que passei para chegar aqui e ter esta imagem no espelho. E quanto mais me olho ao espelho, mais motivos encontro para me sentir grata.

Só a partir do momento em que começamos a gostar de nós é possível começar a fazer escolhas saudáveis para nos sentirmos bem, seja através da alimentação, exercício ou até mesmo coisas que nos façam felizes e quanto mais felizes e saudáveis nos sentimos, mais gostamos de nós, como um ciclo que não acaba.

Hoje depois do banho, olha-te ao espelho e vê o teu corpo com olhos de ver. Vê a pessoa única e magnífica que és e gosta de ti. 



Sem comentários:

Enviar um comentário