quinta-feira, 30 de junho de 2016

Pensamento oposto: Conclusão





Como correu o mês do pensamento oposto?


Gostei muito de praticar este hábito, achei mais fácil de praticar do que o pensamento positivo.

Durante este mês contei-vos como correu o meu pensamento oposto semanalmente (semana 1, 2, 3 e 4). O meu objectivo foi demonstrar, na medida do possível, como pratiquei e como isso alterou os meus dias.


A minha opinião sobre o pensamento oposto após praticá-lo


O pensamento oposto é mais fácil de praticar que o pensamento positivo. No entanto, ao praticar primeiro o pensamento positivo vai abrir o caminho a essa facilidade. Como se o pensamento oposto fosse a continuação do pensamento positivo. Tendo em conta que a mente só consegue reter um pensamento de cada vez, basta substituir um pensamento mau por outro bom et voilà estamos a praticar o pensamento oposto.

Se no início do pensamento positivo tive de fazer algum esforço porque não estava habituada a reparar no que passava pela minha cabeça durante o dia, dia após dia. Agora já é muito mais fácil, o que também torna mais fácil, substituir pensamentos maus por bons.

Como referi, o meu objectivo não é viver no país das maravilhas e varrer a negatividade para debaixo do tapete e sim estar consciente da negatividade e escolher ser positiva. É como se começasse a sentir-me completa.
No passado vivia na negatividade e quando estava feliz, sentia medo dessa felicidade. Podia bem aplicar aquele ditado "Ri-te, ri-te, que logo choras". Era uma felicidade com gosto amargo. Agora não, agora vivo a sentir-me feliz e a conseguir lidar com as situações boas ou más que acontecem. Deixei de me afundar em preocupações, medos, ressentimentos e ansiedade.


Vou continuar a praticar o pensamento oposto?


SIM. Sem dúvida. Quando olho para trás e vejo tantos dias de preocupações, agonia, medo com coisas que nunca chegaram a acontecer, sinto que foram momentos desperdiçados. Agora estou disposta a viver e a sentir-me grata.


E os vossos hábitos, como têm estado a correr?





Sem comentários:

Enviar um comentário