quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Como anda a correr o meu pensamento oposto? (6 meses depois)



Este é um dos hábitos que mais alterou os meus dias. Em vez de estar focada nas dificuldades da vida, foco-me nas oportunidades. 
Aquele vídeo que partilhei convosco de como transformar um mau dia, continua a ser a minha inspiração. E a frase "Qual é a oportunidade aqui?" foi dita vezes sem conta, nestes 6 meses. Continuo a olhar-me ao espelho e a gostar cada vez mais da imagem reflectida e continuo a repetir a frase "tenho todo o tempo do mundo", principalmente nos dias mais cheios de coisas para fazer. Continuo a pintar com lápis de cor e a escrever. Não tenho de fazer nenhum esforço para praticar isto, já faz parte da minha maneira de ser e bastou apenas um mês para incorporar este hábito.

Bem vistas as coisas, desde que comecei a crescer cá dentro, há muito poucas coisas que me chateiem. Coisas  e coisinhas que acontecem e que antes me tiravam do sério e me deixavam irritada, agora nem me afectam. 

A minha tolerância aumentou e a minha paz de espírito também.

E às vezes ponho-me a observar as pessoas à minha volta e as conversas e há tantas coisas e coisinhas a chateá-las, a dominar a vida e a pessoa que são, que sinto compaixão e vejo como evoluí neste tempo. Por exemplo, ontem estava numa sala de espera, à espera de entrar para uma consulta e uma senhora a falar com outra, dos contratempos todos que já tinha tido naquela clínica e os confrontos com as funcionárias, com frases do tipo "A mim, vocês não me fazem de parva" e "Vocês não me conhecem, nem queiram conhecer...", e pronto, sinto pena de não terem paz de espírito e alimentarem-se destes conflitos.
 


1 comentário:

  1. Eu conheço algumas pessoas que usam a indignação como combustível. Estão sempre indignadas com algo ou alguém... Enfim, o pensamento oposto tem estado adormecido por trás da falta de tempo para pensar.

    ResponderEliminar